Pesquisar

segunda-feira, 16 de março de 2015

O Amor ao Próximo e o Julgamento temerário

Depois de ter ocorrido coisas absurdas em nosso grupo no WhatsApp, resolvemos escrever esse artigo. Uma moça postou uma imagem no grupo de um outdoor feito antes da visita do Papa em Nápoles. O Outdoor tinha a imagem de uma freira fazendo topless e segurando um rosário nas mãos. Obviamente como todos podem perceber foi uma afronta a Fé Católica e justamente antes do Papa visitar a cidade. Com certeza as pessoas estavam se admirando de ver aquilo e ficaram chocadas, até que surgiram algumas pessoas com a frase pronta "não julgueis" e que não poderíamos criticar porque Jesus disse para não julgar o próximo.

Colocam mais um cravo no coração de Maria
aqueles que se calam frente a tantas ofensas à seu Imaculado
coração e ao Sagrado Coração de Jesus Cristo. 
Os seguidores do blog que são realmente católicos e fiéis a sã doutrina já compreenderam o absurdo desse pensamento. Isso se chama respeito humano, tão condenado pelos santos e por tantos papas que sempre foram contra o erro e não mediam esforços para isso. É urgente na Igreja uma conscientização da fé católica, pois as pessoas deturpam a bíblia, a interpretam como bem querem e ignoram as grandes verdades católicas. Assim dizia São João Maria Vianney:

"Oh, maldito respeito humano, que arrasta as almas ao inferno." [4]

Uma pessoa que pensa que não devemos nos colocar contra uma profanação como essa é um inimigo da Igreja, é alguém que certamente desconhece a bíblia, o catecismo, os escritos dos santos, os documentos católicos e tantas fontes de informações que temos hoje a respeito de nossa fé. E essa pessoa se coloca como "exemplo", empina o nariz e ainda quer dar lição de moral, querendo calar os poucos e fiéis católicos que se sentem indignados e ofendidos com tal ato. 

Como se fosse pouco, ocorreu outro fato interessante no grupo que nos ajuda a refletir. Alguém adicionou o número de um pastor protestante no grupo, e ele entrou ofendendo a fé católica, dizendo que era para "pararmos de postar bobagens" (referindo-se aos Santos da Igreja), então obviamente tiramos o pastor, porque é um grupo de modéstia e catolicismo, e não um local onde aceita-se todos os tipos de heresias. O grupo tem como finalidade levar as pessoas ao conhecimento da pureza, modéstia e castidade. Sendo assim, tiramos o pastor e a moça teve a ousadia de ir até ele e "pedir desculpas em nosso nome", sem nos consultar! Disse que o pastor "aceitou o pedido de desculpas". Então vejam: Não bastou apoiar uma ofensa a Deus no outdoor, ela ainda acha que devemos nos calar e não criticar a religião protestante, que devemos ficar quietos porque "somos todos irmãos" e não devemos julgar o próximo. E ainda ousa pedir desculpas em nome do grupo, sendo que ela não é dona do grupo para fazer isso!

Tamanha indignação foi a nossa que, tivemos que elaborar este artigo para esclarecer o que de fato é um julgamento temerário e o que realmente é o amor ao próximo. E para isso vamos colocar alguns escritos de Santo Afonso de Ligório e outros santos sobre o tema. 

Isso tudo se chama liberalismo e não catolicismo. O liberalismo é um câncer que satanás inventou para minar a fé católica, o liberalismo traz em sua cinta a pior das armas que é a liberdade religiosa, a mais letal. Para assentar um azulejo na parede precisa de cimento, assim como para colocar o liberalismo na mentalidade de alguém precisa de emoção, sentimentalismo, o raciocínio míngua, a emoção toma conta da razão e o liberalismo toma o trono da Igreja. 

Sobre o julgamento do próximo é preciso ter discernimento e saber realmente o que é um julgamento temerário e o que não é. Precisamos diferenciar julgar de raciocinar. Parece que as pessoas dizem "não raciocineis para não ser julgado", você raciocina, você cita o que a Igreja já condenou, o que sempre foi a fé da Igreja e o outro diz que você julgou, isso é absurdo. Usar a cabeça para concluir que o outro errou e, sendo cabível dizer isso publicamente levando em conta a fé da Igreja não é julgamento temerário, é raciocinar e ser fiel a Igreja. 

Sendo assim recorremos à Fé da Igreja, aos doutores da Igreja para responder todas estas absurdas objeções. Acompanhem o artigo, foi escrito por Santo Afonso de Ligório. [1]

II. Da prática da caridade em pensamento


Se queres praticar a bela virtude do amor do próximo, empenha-te em repelir todo juízo temerário, toda a desconfiança, toda a suspeita infundada a respeito de teu próximo. É uma grande falta duvidar sem razão da inocência do próximo; falta ainda maior é alimentar uma verdadeira suspeita contra ele e pior ainda ter por certo, sem motivo ou prova suficiente, que ele cometeu algum mal. Quem assim julga será, por sua vez, julgado. "Não julgueis, diz o divino Salvador, para que sejais julgados; com o mesmo juízo que julgardes sereis também julgados" (Mt 7,12). 

Disse eu - sem razão suficiente - porque quando há motivos ponderosos para se suspeitar ou mesmo crer algum mal de outrem, não se comete falta alguma com tais pensamentos. (...)

Se sobrevier a nosso próximo algum sofrimento ou doença, se lhe suceder alguma desgraça ou doença, a caridade exige, nesse caso, que tenhamos compaixão dele, ao menos na parte superior da alma. Digo na parte superior da alma, pois, ouvindo que pessoas que nos são antipáticas foram atacadas por alguma desgraça, nossa natureza rebelde sente alguma complacência nisso. Se te sentires inclinado, na parte inferior da alma, a te alegrares com a desgraça de seu próximo, deixa então tua má inclinação gritar como um irracional e procura, na parte superior, compadecer-te de teu infeliz próximo. 

Certamente é lícito, alegrar-se do feliz resultado que se espera obter em consequência dos males temporais sucedidos a alguém. Por exemplo, se um pecador, que serve de escândalo a outros ou vive obstinado, fica doente, é lícito alegrar-se disso na esperança de que essa doença o levará a entrar em si e a converter-se ou, ao menos, a pôr fim a seus escândalos. (...) 

Devemos corrigir o próximo quando ele erra, e isso não é julgamento temerário, é caridade!


Continua Santo Afonso: "(...) quem vê seu próximo lançar-se no precipício, diz S. Agostinho, irando-se, ou injuriando-se a seu irmão, e deixa de o repreender, merece maior castigo por seu silêncio que o outro por sua injúria. Não te desculpes com tua incapacidade em corrigir defeitos alheio, já que para isso não se requer tanta sabedoria como caridade, diz S. Crisóstomo. Corrige a teu próximo tempo oportuno, com caridade e mansidão, e conseguirá o teu intento. (...)

Não seria cruel o que visse um pobre cego dirigir-se para um abismo e não o avisasse do perigo eminente de morte em que se acha? Muito mais cruel ainda é quem, podendo preservar seu irmão da morte eterna, deixa de o fazer. (...) não digas, porém: isso não é comigo. Nisso não me intrometo. Foi essa a resposta de um Caim: 'Sou eu, talvez, o guarda de teu irmão?' cada um, podendo, está obrigado a preservar seu próximo da perdição eterna."

Os escritos são tão claros que é desnecessário acrescentar algo. O Julgamento temerário é falar o que não se conhece e não se sabe. Entretanto se é algo que a Igreja já julgou, um mal público (homossexualismo, aborto, comunismo, modernismo, apostasia, blasfêmia etc), nunca será julgamento temerário. É até nosso dever nos posicionar contra estas coisas. Existem erros que já vem previamente julgados, começando pela bíblia que condena muitos atos errados com palavras até mais fortes que as nossas, depois por documentos católicos, Papas e Santos. Então temos que ter discernimento para compreender isso, evitar o pecado e ao mesmo tempo ser caridoso com o próximo.

Assim disse São Tomás de Aquino, o doutor Angélico [2]:

"Nem vai contra a natureza da paciência atacarmos, quando necessário, quem faz o mal; porque, como disse São João Crisóstomo (Hom. Op. imperf.) acerca daquilo da Escritura – ‘Vai-te satanás’ (Mt IV,10) – sofrermos com paciência as injúrias que nos atingem, é digno de louvor; mas, é excesso de impiedade tolerar pacientemente as injúrias feitas contra Deus”. ( São Tomás de Aquino, Suma Teológica, 2a. 2ae., q. 136, a. 4, ad. 3).
Ainda o mesmo santo, doutor da Igreja diz:

“Se descuidares de corrigir, te tornas pior que aquele que pecou” (apud Santo Tomás. Suma Teológica. Parte II-II, art. 33, a. 2). [2]



São Francisco de Sales, doutor da Igreja: [3] 

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa, desde que não se falte à verdade, sendo obra de caridade gritar: 'Eis o lobo!', quando está entre o rebanho ou em qualquer lugar onde seja encontrado". (Filotea ou Introdução à Vida Devota, parte III, cap. 28).

As sagradas escrituras:

“(...) Entre os homens iníquos não me assento, nem me associo aos trapaceiros. Detesto a companhia dos malfeitores, com os ímpios não me junto” (Salmo 25, 3-5).

Essa mesma orientação sobre a proximidade com os hereges encontramos na segunda Epístola do Apóstolo São João:

“Se alguém vier a vós sem trazer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis” (II São João 1,10). E mais:

“Com efeito, há muitos insubmissos, charlatães e sedutores, principalmente entre os da circuncisão. É necessário tapar-lhes a boca (…) repreende-os severamente, para que se mantenham sãos na fé” (Tito 1, 10-13).

Respeitar o erro, é falta de caridade.

“A doutrina católica nos ensina que o primeiro dever da caridade não está na tolerância das convicções errôneas, por sinceras que sejam, nem na indiferença teórica ou prática ao erro ou vício em que vemos mergulhados nossos irmãos... se Jesus foi bom para os transviados e pecadores, não respeitou suas convicções errôneas por sinceras que parecessem; amou-os a todos para os instruir,converter e salvar.. -- Papa São Pio X, Notre charge apostolique, 25 de outubro de 1910” (condenação do Sillon). 

E ainda, São João Crisóstomo:

"Aquele que não se enraivecer quando a razão o exige, comete um pecado grave; Pois a paciência não regulada pela razão propaga os vícios, favorece as negligências e leva ao mal. Não somente os maus, mas sobretudo, os bons." São João Crisóstomo: Hum. XI, in nath.

Teríamos centenas de escritos de santos a mais para listar aqui, mas cremos serem suficientes os que colocamos. Certos de termos esclarecido esta questão tão importante finalizamos aqui. Sempre temos que recorrer aos Santos e a Igreja para saber o que de fato é um julgamento temerário. E julga mais aquele que ignora a Igreja e aponta o dedo para o irmão que condena os erros, sem ter conhecimento e base suficiente.

Salve Maria.

Fontes:
[1] Santo Afonso de Ligório - Escola da Perfeição Cristã. Cap. VI. Pag. 153.
[2] São Tomás de Aquino, Suma Teológica, 2a. 2ae., q. 136, a. 4, ad. 3.
[3] São Francisco de Sales, Filotéia - Introdução à Vida Devota.
[4] Sermons du vénérable serviteur de Dieus, Jean-Baptiste-Marie Vianney, curé d'Ars. Tome Ie, Librarie Victor Lecoffre, Paris, 1883.

Um comentário:

  1. Mas a igreja também diz para cobrimos com o véu da caridade o erro dos outros, pois todos merecem a boa fama. Claro,erros públicos devem ser combatidos em público. Mas tendo caridade para com quem erra, guardando assim seus defeitos e revelando apenas se ouvir causa justa. Essa é a doutrina da igreja sobre a maledicência

    ResponderExcluir

Bem vindo ao nosso espaço! Os comentários antes de serem postados, passam por aprovação da moderação. Por isso lembramos aos seguidores que não serão aceitos comentários maldosos, irônicos com tom de maldade, acusações infundadas e ataques diretos e indiretos a Fé Católica e à Moral da Igreja. Salve Maria Puríssima.

"Eu quero que todos vocês meus queridos filhos espirituais, combatam com o exemplo, e sem respeito humano uma santa batalha contra a moda indecente. Deus estará com vocês e irá salvá-los." São Pe. Pio de Pietrelcina

Siga-nos via blogger.com

Total de visualizações de página